Ânsia

Ansioso é estar ocupado com o que ainda não aconteceu
é antecipar os problemas diante ao relógio atrasado
é estar prestes a surtar por qualquer motivo
a ânsia é saber que a qualquer momento podes desaparecer
me esquecer, de um tudo voltar a ser o nada
ânsia é uma palavra que por si só me deixa ansioso
sua pronúncia me deixa irritado e inquieto
com as perturbações da falta de paciência
com as pessoas, com os objetos e os sentimentos
mas a ânsia também é combustível da alma em evolução
das minhas inquietudes com a falta de bom senso
do comodismo e a falta de respeito de outras almas
A ânsia move o ser humano
é assim fugaz, acostume-se
impaciente e desordenado pelos fatos
ansioso por natureza minha própria.

Anúncios
Published in: on julho 30, 2010 at 6:50 pm  Deixe um comentário  

Conversas

Vejo-te falar coisas banais
diante a fumaça do café que esfria
te vejo dizer coisas com os olhos
a espreitar coisas que eu dizia
falei-te que fizera com o tempo
de causos d’alma e espírito
nesse vai e vem de palavras trocadas
nem vimos o tempo passando
o café terminou a horas
e nós acabamos amando.

Published in: on julho 28, 2010 at 1:08 pm  Deixe um comentário  

Injusta Tristeza

Seu olhar pela manhã me deixou mais triste
vi no seu trabalho a infelicidade da alma
a exploração da massa refletido em seus olhos
e seu corpo denunciava a violência que passara
seu subtrabalho é algo que me entristece
sua lágrima não cai, pois é firme
ou já acabou a fonte desta gota amarga
não és acostumada com tal brutalidade
seus olhos denunciam os crimes
que cometeram em seu coração
no seu belo rosto que a tristeza desenha
toda a culpa dessa sociedade hipócrita
que se projeta inconsciente dentro da TV
e esquece de você lá fora
estou triste nesta manhã de inverno
pois sua tristeza me entristece
queria ter coragem para jogar a hipocrisia no lixo
e te dar um sincero abraço
penso nos caminhos que pudera tomar
se não fosse os falsos caminhos
se não fosse as falsas pessoas
que profanam o Eu Te Amo
se seus caminhos fossem oportunos
nas horas que precisasse
teria outro semblante
mais sincero e alegre
mas sua tristeza me entristece
nessa injusta tristeza
seus olhos são cansados
pela exploração que sofrera nesse tempo todo
pela sua juventude, que juventude?
Devia ter estudado
ter meia dúzia de namorados
e depois de tudo muita festa
pra chegar a sua meia idade
ter feito tudo que é de direito
depois constituir família e morrer dignamente
Mas seu caminho não foi de acertos
nem de erros, foi de culpa
agora no sinal eu te vejo
pergunto a mim que culpa eu tenho
de deixar uma alma perdida
solitária nesse silêncio.

Published in: on julho 23, 2010 at 12:37 pm  Deixe um comentário  

Música Perfeita

Pegue João Gilberto
frite bem para tirar o amargor
reserve para depois
pique corações em cubos pequenos
junte seus amores esquecidos
e quatro bons momentos
morenas bronzeadas a gosto
meia dúzia de serestas
violões, flautas e bandolins
jogue tudo na panela
e ferva até começar a cantar
tá pronto a música perfeita
é só sair degustando.

Published in: on julho 19, 2010 at 2:51 pm  Deixe um comentário  

És

És como deve ser
simples beleza imaculada
suas mãos no colo entrelaçadas
menina no corpo
com olhos noturnos de mulher
buscam viver intensamente
a espera da chegada de um amor partido
ou o acalanto de um carinho
és pura em sentimento, minha bela
és minha nesse momento
Te dou mordiscadas no pescoço
para lembrar-te que não és sonho
és meu ser, ter e querer
és linda ao arrumar os cabelos
pintura em porcelana
és como deve ser
beleza de mulher santa
com curvas em desenho de meretriz
quando chegar ao meu viver
deitarei em teus fartos seios
te amarei por um instante
lembrarei de Vinícius nesta hora:
_Que seja eterno enquanto dure.

Published in: on julho 19, 2010 at 2:27 pm  Deixe um comentário  

Perceptível

Caminhei léguas atrás da felicidade
encontrei uma Pasárgada ao contrário
cheio de chuva, água e vento
neste caminho de poças fundas
e sentimentos cada vez mais rasos
fico vendo o sereno cair pela janela
e me acalmo ao ver as gotas que secam
e passam como eu aqui imóvel
sabe, ando um tanto perceptível
as coisas simples que acontecem
diante aos olhos cansados pelo sono
parece pintura o que vejo
pela janela do carro a noite
a água, o tempo e as luzes
o limpador que insiste em vencer a chuva
o suor do vidro que sente na superfície
a força da água e dos ventos
me bate um sono e me encosto
tentando absorver um pouco mais de vida
deste tempo tão chuvoso.

Published in: on julho 19, 2010 at 2:08 pm  Deixe um comentário  

Barulho

Escuto carros e conversas
escuto frases desconexas
escuto tudo não entendo nada
no escritório tem teclados
no banheiro a torneira
no telefone da empregada
na reunião interminável
escuto sons, mas não são músicas
não são afáveis esses sons
são notas distorcidas
são embrulhos de ideias
são murmúrios e lamentações
escuto tudo
mas não ME entendo nada
falo, retruco, grito
mas ninguém entende nada
serão os barulhos de outras pessoas
que estão nessa mesma jornada?
Ou são quebra-cabeças indecifráveis?
As perguntas são barulhos
dentro da minha cabeça
as respostas são silêncio
que encontro a todo instante
são sons o que eu escuto
quando me vejo ao espelho
são lições que a vida prega
O barulho é eu mesmo
inquieto e perdido
nesta cidade barulhenta.

Published in: on julho 16, 2010 at 6:43 pm  Deixe um comentário  

Frio Farrapo

Aqui o frio congela pelos e corações
na viagem amarga desta vida ingrata
congela a água e as sensações
mas mantém os calafrios de esperança
sonhos, devaneios e andanças
pelo meridional do meu país
sou homem com agasalho do tempo
sou gaúcho em prosa e verso
daqueles que sabem o mal do inverno
sou viajante maragato
do minuano a soprar os cabelos
encarangar os fracos e preparar os fortes
para os verões de guerra
e os amores que sobram em farrapos.

Published in: on julho 16, 2010 at 6:25 pm  Deixe um comentário  

Brisa

Tudo é brisa…
passa e gira com o vento
e de tempos em tempos
vem e vai e leva um pedaço
faz voar o sal que secou dos prantos
e em meus cantos mais secretos
já não existe mais segredos
a brisa virou vento
e levou pra bem longe
aquilo que era apenas tempo
levou-me a lugares, vidas
agora noticio coisas desse tempo
das brisas que passaram pelos meus olhos
infeliz em meu copo de vinho
já não espero mais essa brisa
porque a delicada virou vento forte
agora só quer brincar de vida
desenhando minhas rugas.

Published in: on julho 13, 2010 at 2:57 pm  Deixe um comentário  

Memória das Coisas da Vida

Sim, todos tem memória
Está escrito nas relvas
Nas pedras e no asfalto
No relevo das montanhas
Nos calos das mãos
No olhar, no amar…

A memória é profunda
Machuca-nos, faz machucar.
Quando é boa dá saudade
Quando é ruim é infelicidade
Rancor é fruto da memória
Que não deixa esquecer
Das feridas abertas que o tempo não cicatriza
Tem vezes que queremos ser mágicos
D-E-S-A-P-A-R-E-C-E-R
Viver em um outro estágio
Criar raiz em uma terra nova
A memória tem essas coisas da vida
Trazer tudo aquilo que aprendemos
Na hora em que precisarmos
Ou ser nosso juiz, nos atos im-pensados
Somos resultados da memória
Acúmulo de vidas vividas
De aprendizados com sofrimentos
A memória nos ensina
Faz-nos agir diferente
Pois não temos a primeira vez
Duas vezes, a memória diz.
Grita quando queremos o silêncio
A memória me lembra todo dia
coisas que não quero mais
Quero que a memória seja apagada
pra começar tudo outra vez.

Published in: on julho 8, 2010 at 3:17 pm  Deixe um comentário